22 fevereiro 2008

Passagem com outra pinta

Já não era sem tempo!! (se calhar nem justificava haver tempo para tal)
A linda Passagem vai receber obras. Os canteeiros vão voltar a ter relva, as casinhas de palha vão receber nova cobertura, a piscina vai ser pintada, as árvores vão ser podadas... enfim, ao que parece esse recanto - um dos encantos de Santo Antão - vai voltar aos seus áureos tempos. Tempos áureos que, alíás, nunca deveriam ter deixado de existir, mas que por ... até me falta a palavra, pocha!
As obras estão prestes a começar, graças a uma parceria entre um investidor irlandês e a Câmara Municipla do Paúl. Espero que daqui há alguns meses o cenário que aqui denunciámos já esteja a fazer parte do passado. Hah, e que não venhamos a ser impedidos de lá entrar (dtcha'm vrá ess boca pralá, isso tal Deus non permite)
De todo o modo, preferia que não houvesse motivos para estes remendos. Mas, enfim... é cina de criol, tchá cabá tud primer pa dpôs bem rmediá, ainda com direito a inscrições para a posteridade (tipo aquela que está la na rampa de Poeta, ASA!) Hehehe, ja'm mandá um boca!!!

18 fevereiro 2008

Uma semana de Santo Antão na Praia (eco de um post no Djaroz)

Há dias o Djoy Amado surgiu com uma ideia interessante, tendo-a expressado aqui no seu blog. Gostei da ideia e pus-me a pensar.

Desde que estou na Praia conheci muita gente, vinda de todos os cantos, descobri outros costumes, outras realidades, mas, acima de tudo, comecei a conviver com pessoas de todas as ilhas. É aqui que reside o meu maior encanto por esta cidade.

Na Praia, pude conviver (e convivo) com pessoas oriundas de todas as ilhas de Cabo Verde, algo muito difícil de conseguir se se estiver numa outra ilha.

Uma cidade tão cosmopolita como a Praia deveria aproveitar muito mais desta condição e ser uma autêntica caldeira a efervescer manifestações culturais de todos os gostos, com criatividade a emanar dos poros de cada residente.

A ideia lançada pelo Djoy de ter um mês de cada ilha, nesta cidade é de facto muito bem vinda. Por mim, já bastava uma semana.

O Sinta10, de antena virada para Santo Antão, propõe aqui a semana da sua ilha na Praia:
Musica, dança, gastronomia, récitas, teatro, exposições, enfim um pouco de tudo made in Santo Antão, para não só dar a conhecer um pouco mais da ilha, como também proporcionar aos filhos e aos demais residente uma oportunidade de se sentirem dentro da ilha.
Imagino o Auditório Nacional lotado para assistir ao Juventude em Marcha; uma noite suave no Quintal da Música com os sons do Mix Cutura; o Centro cultural Francês a expôr a arte de Bento d’Oliveira, ou dos irmãos Levi; os Cordas do Sol a cantar linga de Sintonton numa rua do Plateau; um grupo qualquer das Fontainhas ou Figueiras ta ratchá uma contradança ou uma masurca; Leão Lopes a liderar uma conferência tipo “pensar Santo Antão; Paulino dias no Palácio da Cultura a contar as estórias de Fajâ Domingas Bentas; uma exposição/venda de doces, licores, pontche, queijos e outros produtos da ilha na Biblioteca Nacional, enfim…
Como seria bonito uma semana de cada ilha na Praia.

Sinta10 já fazê sê proposta, que venham mais 10!

11 fevereiro 2008

Carnaval da Ponta do Sol

Em Santo Antão também há carnaval. A vila da Ponta do Sol ê bom nel, e já houve dias melhores, quando o carnaval da vila competia com o da Penha de França, vila da Ribeira Grande. Era sempre renhida a disputa entre Maravilhas do Oceano e Sol Real.

Este ano também houve desfile, houve muita animação, muita festa na antiga Maria Pia. Mas apenas animação!

Bem, na ilha as cinzas não celebramos, o dia passa quase que despercebido, assim como noutras ilhas de Barlavento, que pena! Porque será?
E nós, por cá fomos ao interior de Santiago, saltitámos de casa em casa e regressámos à cidade de barriguinha a luzir.
Nesta foto, "Oriundos do Universo", um grupo criado este ano, recorda o passado áureo do carnaval na Ponta do Sol

10 fevereiro 2008

Flagelados do Vento Norte (ou será ventos do carnaval solpontense?)

Há duas semanas lia no Expresso das Ilhas uma notícia segundo a qual os presos da cadeia da Ponta do Sol estariam na iminência de passar fome, devido a falta de alimentos naquele estabelecimento prisional.
Ao deparar com os factos(?)pensei para comigo: isto é verdade, ou será uma piada de carnaval, já que a época é propícia para certas pirraças? Sim, porque, ao menos, se fosse greve de fome, teria dito que de certa forma já estamos acostumados com presos a injutir pitéu para reivindicar isto ou aquilo. Agora,faltar comida nas cadeias!!!, ainda por cima numa cadeia regional,com as dimensões da de Ponta do Sol?
Nisto, lembrei-me de um amigo busód da Ponta do Sol que há dias me contava, meio a sério, meio a brincar, que os presos dessa cadeia vivem sab pa fronta; que saem de manhã para ganharem o seu dia e voltam à tardinha; que organizam jogatinas com os habitantes da vila, etc., etc.
Hoje, ao comentar a notícia com um colega, este rematou: "talvez esses presos comam em casa pelo que a cadeia não deve estar preocupada em providenciar alimentação aos seus inquilinos"
Bem, brincadeiras à parte, a acreditar no Expresso da ilhas, a coisa é grave, grave mesmo! Créd n'emstêr!